sexta-feira, 30 de outubro de 2009

CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES

Em análise sintática, já falamos um pouco sobre frase, oração e período. Agora, preocupar-nos-emos apenas com a classificação das orações. As orações podem ser coordenadas ou subordinadas.


ORAÇÃO COORDENADA

É a oração que se une a uma outra , também coordenada, sem lhe representar um termo sintático. É, portanto, independente. Podem ser:

ASSINDÉTICAS - Se estiverem, simplemente, justapostas, isto é, colocadas uma ao lado da outra, sem qualquer conectivo que as enlace:
Será uma vida nova, / começará hoje, / não haverá nada pra trás.

SINDÉTICAS - Quando se prendem às outras pelas conjunções coordenativas:
A Grécia seduzia-o, / mas Roma dominava-o.

As Sindéticas classificam-se em:
Aditivas - Expressam adição, sequencia de fatos ou pensamentos.
A doença vem a cavalo e volta a pé.
Adversativas - Exprimem contraste, oposição, ressalva.
A espada vence, mas não convence.
Alternativas - Exprimem alternância, alternativa, exclusão.
Jacinta não vinha à sala, ou retirava-se logo.
Conclusivas - Expressam conclusão, dedução, consequencia.
Raimundo é homem são, portanto deve trabalhar.
Explicativas - Exprimem explicação, motivo, razão.
Leve-lhe uma lembraça, que ela aniversaria amanhã.


ORAÇÃO SUBORDINADA

É a oração que representa um termo sintático de uma outra oração, que se diz principal. Podem ser:
Substantivas - Exercem as funções próprias do substantivo (sujeito, objeto direto, objeto indireto, predicativo, complemento nominal, aposto).
Peço / que desistas.
Adjetivas - Exercem a função dos adjetivos (adjunto adnominal).
Pessoa / que mente / não merece fé. (pessoa mentirosa)
Adverbiais - Exercem a função dos advérbios (adjunto adverbial).
Chegamos / quando anoitecia.

SUBSTANTIVAS

Um método prático para identidicar este tipo de oração é trocando-a pelo pronome ISSO. Classificam-se em:
Subjetivas, quando exercem função de sujeito:
É certo / que a presença do dono o sossegava um pouco.
(ISSO é certo)

Objetivas diretas, quando exercem a função de objeto direto:
Respondi-lhe / que já tinha lido a receita em qualquer parte.
(Respondi-lhe ISSO)

Objetivas indiretas, quando exercem a função de objeto indireto:
Não me esqueço / de que estavas doente / quando ele nasceu.
(Não me esqueço DISSO ...)

Completivas nominais, quando exercem a função de complemento nominal:
Ele tem a mania / de que alho faz bem à saúde!
(Ele tem a mania DISSO)

Predicativas, quando exercem a função de predicativo:
A verdade é / que eu ia falar outra vez de Noêmia.
(A verdade é ISSO)

Apositivas, quando exercem a função de aposto:
Só dizia uma coisa: / que venceria os obstáculos.
(Só dizia uma coisa: ISSO)

Agentes da passiva, quando exercem a função de agentes da passiva.
O quadro foi comprado / por quem o fez.
(O quadro foi comprado por ISSO)

ADJETIVAS
São orações iniciadas por pronome relativo (que, onde, etc.). Podem ser:


Orações subordinadas adjetivas restritivas
Há saudades que a gente nunca esquece.

ATENÇÃO!! Essas orações restringem, limitam a significação do antecedente e não podem vir entre vírgulas.

Orações subordinadas adjetivas explicativas
Valério, que nasceu rico, acabou na miséria.

ATENÇÃO!! Essas orações explicam, esclarecem o termo antecedente e devem ser separadas por vírgulas.


ADVERBIAIS

Classificam-se de acordo com as conjunções que as introduzem. Podem ser, segundo Cegalla:

Causais
- exprimem causa, motivo, razão:
O tambor soa porque é oco.


Comparativas
- representam o segundo termo de uma comparação:
Certos cantores gesticulam mais do que cantam.

O esquilo é tão ágil quanto o macaco.


Concessivas
- exprime um fato que se concede em oposição ao da oração principal:
Embora não possuísse informações seguras
, ainda assim arriscou uma opinião.


Condicionais
- exprimem condição, hipótese:
Que diria o pai se soubesse disso?


Conformativas
- exprimem conformidade de um fato com outro:
Consoante opinam alguns
, a História se repete.


Consecutivas
- exprimem uma consequência, um efeito ou resultado:
De tal sorte a cidade crescera que não a reconhecia mais.


Finais
- exprimem finalidade, objetivo:
Fiz-lhe sinal que se calasse.


Proporcionais
- denotam proporcionalidade:
O valor do salário, ao passo que os preços sobem, vai diminuindo.


Temporais
- indicam o tempo em que se realiza o fato na oração principal:
Sempre que vou à cidade
, passo pelas livrarias.


Modais
- exprimem modo, maneira: (não estão consignadas na NGB)
Entrou na sala sem que nos comprimentasse.


Locativas
- equivalem a um adjunto adverbial de lugar e são iniciadas pelo advérbio onde que pode vir precedido de preposição: (não são mencionadas na NGB)
Venha por onde eu passar.



ORAÇÃO COORDENADA SINDÉTICA EXPLICATIVA X ORAÇÃO SUBORDINADA ADVERBIAL CAUSAL
Observem os exemplos e vejam o que primeiro acontece neles:

1) O tambor soa porque é oco
2) Não vou à praia que o tempo está feio
3) Não saia agora, que vai chover
4) Ela chorou, que eu vi

Os exemplos 1 e 2 são de orações subordinadas adverbiais causais. A causa acontece primeiro e depois vem o efeito dela.

Primeiro o tambor é feito com uma forma oca.
Depois o som que ele produz ecoa.
Primeiro o tempo fica feio
Depois eu resolvo não ir à praia

As vírgulas, nestes casos, não aparecem porque estão no sentido direto (principal+subordinada). Se houver anteposição, a vírgula será obrigatória.

Os exemplos 3 e 4 são de orações coordenadas sindéticas explicativas. A explicação acontece depois.

Primeiro eu não saio
Depois vai chover
Primeiro ela chora
Depois eu vejo (a causa do choro é outra: uma queda, uma emoção, mas ela não chora porque eu vejo)

As vírgulas nestes casos são obrigatórias.