segunda-feira, 17 de novembro de 2008

CONCORDÂNCIA

A concordância é o princípio sintático segundo o qual as palavras dependentes se harmonizam. Existem dois tipos de concordância: a que é feita entre o sujeito e o verbo, concordância verbal, e a que é feita entre o substantivo e o adjetivo, artigo, pronome ou numeral, concordância nominal.

CONCORDÂNCIA VERBAL

O verbo concorda com o sujeito nas seguintes regras gerais:

SUJEITO SIMPLES (um só núcleo) - O verbo concordará com o núcleo do sujeito simples em número e pessoa:
O menino saiu com os amigos.
Nós saimos para o trabalho sempre na hora do engarrafamento.
Eles prestaram informações valiosas.
Eu sei que vou te amar.
Acontecem tantas desgraças neste planeta!

SUJEITO COMPOSTO (mais de um núcleo) - Verbo no plural na pessoa gramatical de número mais baixo:
1ª + 2ª = 1ª (Eu e tu = nós)
1ª + 3ª = 1ª (Eu e ela = nós)
2ª + 3ª = 2ª (Tu e ele = vós ou tu e ele = eles (SILEPSE DE PESSOA) - possível a concordância com a 3ª, por ser a 2ª pouco usada)
Eu e ela sairemos agora.
Tu e ela saireis (ou sairão) agora.
A esposa e o amigo seguem sua marcha.

Casos em que o verbo também pode concordar com o núcleo mais próximo:

a) Sujeito composto com núcleos pospostos ao verbo:
Todos deverão chegar cedo amanhã; antes dos demais, porém, chegarás (ou chegareis ou chegarão) tu e o porteiro.

b) Sujeito composto com núcleos sinônimos:
A evolução e o progresso trouxe (ou trouxeram) a informática aos nossos lares.

c) Sujeito composto com núcleos em gradação:
Uma ânsia, uma aflição, uma angústia repentina começou (ou começaram) a me apertar a alma.

CASOS ESPECIAIS

1. Núcleos do sujeito unidos por OU

1.1 Com exclusão, o verbo concordará com o núcleo do sujeito mais próximo:
O Bahia ou vitória será o campeão em 2010. (Não podem ser os dois)

1.2 Sem exclusão, o verbo vai para o plural:
O frio ou a altitude prejudicaram os atletas. (Podem ser os dois)

2. Núcleos do sujeito unidos pela preposição COM

2.1 Verbo no plural quando se atribui a mesma importância aos elementos do sujeito:
Manuel com seu compadre construíram o barracão.

2.2 Quando se deseja dar ênfase ao primeiro elemento, verbo no singular:
Maria, com o namorado, chegou no início da festa.

3. Núcleos do sujeito unidos por NEM

3.1 Verbo no plural quando o sentido for de adição:
Nem a riqueza nem o poder o livraram de seus inimigos.

3.2 Se houver idéia de exclusão, o verbo ficará no singular:
Nem Pedro nem Paulo será eleito presidente.

4. Sujeitos resumidos por tudo, nada, ninguém - A forma adequada é o verbo no singular, concordando com o aposto resumidor:
A cidade, os campos, os vales, tudo estava coberto de água, naquela enchente devastadora.

5. Núcleos do sujeito representantes da mesma pessoa ou coisa - Quando os núcleos, por palavras diferentes, representam uma só pessoa ou uma só coisa, o verbo fica naturalmente no singular:
Advogado e membro da instituição afirma que ela é corrupta.
Em seu rosto, passado e presente estava impresso.

6. Núcleos do sujeito são infinitivos

6.1 Quando são dois ou mais infinitivos, o verbo fica no singular:
Fazer e dizer não significa o mesmo.

6.2 Verbo no plural se forem determinados por artigo ou exprimirem idéias opostas:
O comer e o beber são necessários.
Rir e chorar fazem parte da vida.

7. Sujeito oracional - O verbo cujo sujeito é oracional concorda no singular:
Ainda falta comprar os cartões.

8. Sujeito com núcleo percentual, partitivo ou coletivo - O verbo concorda com o núcleo ou com o determinante:
Uma grande multidão de crianças penetrava (ou penetravam) na caverna.
A maioria deles aprovou (ou aprovaram) a realização do festival de forró.
Nos EUA, 20% da população sofre (ou sofrem) a síndrome do pânico.

ATENÇÃO!! Com numeral antecedido de determinante, o verbo vai para o plural:
Os 10% daquele elenco atuaram pela primeira vez.

9. Sujeito com as locuções Um e outro e Nem um nem outro - O verbo concorda de preferência no plural, mas pode ficar no singular.
Nem uma nem outra foto prestavam (ou prestava)
Um e outro livro me agradaram (ou agradou) muito.

ATENÇÃO!! Havendo reciprocidade na ação, o verbo vai para o plural:
Um e outro colega se comunicam pela internet.

10. Sujeito com a locução Um ou outro - Verbo na terceira pessoa do singular:
Um ou outro auditor trabalhará neste caso.

11. Sujeito com a locação Mais de um - Verbo na terceira pessoa do singular:
Mais de um presidente defendeu a abertura comercial.

ATENÇÃO!! Havendo reciprocidade na ação, o verbo vai para o plural:
Mais de um jogador de times diferentes deram-se as mãos na defesa do esporte amador.

12. Locução Um dos (...) que:

12.1 Verbo na terceira pessoa do plural para enfatizar o conjunto:
Zico foi um dos craques que encantaram o mundo.

12.2 Verbo na terceira pessoa do singular para enfatizar o indivíduo:
Zico foi um dos craques que encantou o mundo.

13. Sujeito com locução pronominal com pronome pessoal preposicionado:

13.1 Núcleo no singular - Verbo na terceira pessoa do singular:
Qual de nós sairá?

13.2 Núcleo no plural - O verbo pode ir para a terceira pessoa do plural ou concordar
com o pronome:
Quais de nós sairão (ou sairemos)?

14. QUE (pronome relativo) como sujeito - O verbo concorda com o antecedente do pronome relativo:
Fomos nós que viajamos sem permissão.

ATENÇÃO!! Se o antecedente do pronome relativo for predicativo de um pronome pessoal sujeito, o verbo da oração iniciada pelo que concordará com o pronome pessoal, ou com o antecedente do pronome relativo:
Nós somos aqueles que aqui estivemos (ou estiveram) ontem.

15. QUEM como sujeito:

15.1 Verbo na terceira pessoa do singular quando for pronome indefinido. Não se quer enfatizar o agente:
Fui eu quem pagou aquela conta.

15.2 O verbo concorda com o pronome relativo quando se quer enfatizar o agente:
Fui eu quem paguei aquela conta.

16. Pronomes de tratamento como sujeito - Esses pronomes exigem o verbo na terceira pessoa do singular, embora se refiram à segunda pessoa do discurso:
Vossa Excelência agiu com moderação.

17. Nome pluralício como sujeito - Verbo na terceira pessoa do singular:
Minas Gerais possui grandes jazidas de ferro.

ATENÇÃO!! Se houver artigo no plural, o verbo irá também para o plural:
Os Estados Unidos são o país mais rico do mundo.

18. Verbo acompanhado da palavra se:

18.1 Quando o se é índice de indeterminação do sujeito, o verbo fica na terceira pessoa do singular. Isso ocorre com verbos intransitivos, transitivos indiretos ou de ligação:
Morria-se de tédio naquele lugarejo.
Necessita-se de balconistas com prática.

ATENÇÃO!! Quando o sujeito é indeterminado, sem o pronome se, o verbo vai para a terceira pessoa do plural:
Pediram-me que a procurasse.

18.2 Concordância do verbo passivo - Quando apassivado pelo pronome apassivador se, o verbo concordará normalmente com o sujeito:
Vende-se a casa e compram-se dois apartamentos.

ATENÇÃO!! Para se detectar os sujeitos da frase acima, deve-se transformá-la na voz passiva analítica:
A casa é vendida e dois apartamentos são comprados.

19. Verbos impessoais - Por não possuírem sujeito, ficam na terceira pessoa do singular os seguintes verbos:

19.1 Haver, fazer, indicando tempo:
Há anos não vou a Fortaleza.

19.2 Passar de..., na indicação das horas:
Quando saí de casa, passava das oito horas.

19.3 Chover e outros que exprimem fenômenos da natureza:
Nevou muito na cordilheira.

ATENÇÃO!! Se for usado o sentido conotativo, o verbo deixa de ser impessoal:
Choviam pétalas de flores.

19.4 Haver no sentido de existir, ocorrer, acontecer:
Havia notas falsas na praça.

19.5 Os verbos auxiliares das locuções com os verbos impessoais haver ou fazer:
Deve fazer uns cinco anos que estive em Paris.

20. Concordância do verbo ser:

20.1 Verbo ser, indicando horas, datas e distâncias, concorda com o numeral e é impessoal:
Era uma hora da tarde.
Eram duas horas da tarde.
Da estação à fazenda são três léguas a cavalo.
Hoje são seis de março.

ATENÇÃO!! Pode-se, na linguegem espontânea, deixar o verbo no singular concordando com a idéia de dia:
Hoje é seis de março. [...é dia seis...]

20.2 Quando o predicativo indica insuficiência, suficiência ou excesso, o verbo ser deve concordar com o predicativo:
Quatrocentos e vinte reais por mês é pouco para uma família.

20.3 Quando o sujeito do verbo ser é um dos pronomes isto, isso, aquilo, tudo, o [=aquilo], nada, o verbo ser, de preferência, deve concordar com o predicativo, mas pode também concordar com o sujeito:
Tudo são flores no início.
Tudo é flores no início.

20.4 Se o sujeito do verbo ser é pessoa ou pronome pessoal, o verbo concorda com o sujeito:
Maria era as alegrias da família.
Ela era as coisas boas de lá.

ATENÇÃO!! Invertendo-se a frase, permanece tal concordância:
As alegrias da família era Maria.

Não é rara, porém, a concordância com o predicativo plural quando este representa partes do corpo da pessoa nomeada no sujeito:
Santinha eram dois olhos míopes, quatro incisivos claros à flor da boca.

20.5 O verbo ser permanece invariável na partícula de realce é que:
Eu é que mantenho a ordem aqui. [Sou eu que mantenho a ordem aqui]

20.5 No restante dos casos, o verbo concorda com o predicativo:
A cama são umas palhas.
A maioria eram rapazes.
Divertimentos é o que não lhe falta.
Oito anos sempre é alguma coisa.
Quem eram os pretendentes ao cargo?

ATENÇÃO!! Predicativo singular prevalece sobre sujeito plural que não está antecedido de artigo ou pronome demonstrativo:
Comentários falsos é veneno.

21. ERA UMA VEZ - Mantém-se invariável a expressão de histórias era uma vez, ainda que seguida de substantivo plural:
Era uma vez dois cavaleiros andantes.

22. A NÃO SER - É geralmente considerada locução invariável, equivalente a exceto, salvo, senão:
Nada restou do edifício, a não ser escombros.

23. HAJA VISTA - A expressão correta é haja vista, e não haja visto. Pode ser construída de três formas:

23.1 Hajam vista os livros desse autor (vejam-se os livros...)

23.2 Haja vista os livros desse autor (veja [você] os livros...)

23.3 Haja vista aos livros desse autor (atente-se para os livros)

24. Concordância dos verbos dar, bater, tocar e soar - Em relação a horas, estes verbos concordam com o numeral:
Já deram três horas.

ATENÇÃO!! Com o sujeito relógio, verbo no singular:
O relógio já deu três horas.

25. Concordância do verbo parecer - Em contruções com o verbo parecer seguido de infinitivo, pode-se flexionar o verbo parecer ou o infinitivo que o acompanha:
As paredes pareciam estremecer. (construção corrente)
As paredes parecia estremecerem. (construção literária) - análise: parecia: oração principal; as paredes estremecerem: oração subordinada substantiva subjetiva reduzida de infinitivo [Isso parecia].

26. Perto de, cerca de, mais de, menos de: levam o verbo a concordar com o numeral:
Mais de dez fotógrafos permaneciam no local.

27. Concordância com números fracionários - De regra, a concordância é feita com o
numerador:
Um terço dos alunos faltou.
Dois terços dos alunos faltaram.

ATENÇÃO!! Segundo CEGALLA, não parece incorreto usar o verbo no plural quando a
fração tem o numerador 1:
Um quinto dos homens eram de cor escura.

28. Concordância de senão em frases negativas - Nessas frases em que senão equivale a mais que, a não ser, e vem seguido de substantivo no plural, costuma-se usar o verbo no plural, fazendo-o concordar com o sujeito oculto outras coisas:
Do antigo templo grego não restam senão ruínas. [...não restam outras coisas senão ruínas]



CONCORDÂNCIA NOMINAL
CONCORDÂNCIA DO ADJETIVO ADJUNTO ADNOMINAL

1. O adjetivo concorda em gênero e número com o substantivo a que se refere:
O alto ipê cobre-se de flores amarelas.

2. O adjetivo posposto que se refere a mais de um substantivo poderá fazer dois tipos de concordância:

2.1 Concordância lógica: o adjetivo no plural no gênero predominante. (masculino prevalece sobre feminino)
Já comprei paletó e camisa novos.

2.2 Concordância atrativa: o adjetivo concorda com o substantivo mas próximo.
Já comprei paletó e camisa nova.

ATENÇÃO!! A troca de uma concordância pela outra pode trazer alterações semânticas.

3. Anteposto aos substantivos, o adjetivo concorda, em geral, com o mais próximo:
Velhas revistas e livros enchiam as prateleiras.
Velhos livros e revistas enchiam as prateleiras.

Seguem esta regra os pronomes adjetivos:
A sua idade, sexo e profissão.

4. Quando dois ou mais adjetivos se referem ao mesmo substantivo determinado pelo artigo, ocorrem dois tipos de construção:
4.1 Estudo as línguas inglesa e francesa.4.2 Estudo a língua inglesa e a francesa.

5. Os adjetivos regidos de preposição "de", que se referem a pronomes neutros indefinidos (nada, muito, algo, tanto,...), normalmente ficam no singular:
Sua vida nada tem de misterioso.

Todavia, por atração, podem concordar com o substantivo (ou pronome) sujeito:
Elas nada tinham de ingênuas.

CONCORDÂNCIA DO ADJETIVO PREDICATIVO COM O SUJEITO OU OBJETO


1. COM SUJEITO/OBJETO SIMPLES: o predicativo concorda com o sujeito simples em gênero e número.
Os campos estavam floridos, as colheitas seriam fartas.
Vi ancorados na baía os navios petrolíferos.

2. COM SUJEITO/OBJETO COMPOSTO: o predicativo vai para o plural no gênero predominante.
O mar e o céu estavam serenos.
O vale e a mantanha são frescos.
Deixe bem fechadas a porta e as janelas.
Tomei emprestados a régua e o compasso.

O predicativo pode concordar com o substantivo mais próximo se aquele vier antes deste:
Era deserta a vila, a casa, o templo.
É preciso que se mantenham limpas as ruas e os jardins.

3. Se o sujeito for representado por um pronome de tratamento, a concordância se efetua com o sexo da pessoa a quem nos referimos (SILEPSE = CONCORDÂNCIA COM A IDÉIA):
Vossa alteza foi bondoso.
Vossa alteza foi muito severa.

4. Em locuções do tipo "é bom...", "é necessário...", "é preciso..." temos dois tipos de construção:

4.1 Se o substantivo vier determinado, o predicativo concordará com o artigo determinante.
É necessária a tua presença aqui.

4.2 Se não vier determinado, se faz a concordância com o fato que se tem em mente.
Bebida alcoólica não é bom para o fígado.

CONCORDÂNCIA DO PARTICÍPIO PASSIVO

1. Na voz passiva, o particípio concorda em gênero e número com o sujeito:
Foi escolhida a rainha da festa.

2. Quando o núcleo do sujeito é um coletivo numérico, pode-se, em geral, fazer a concordância com o substantivo que o acompanha:
Centenas de rapazes foram vistos pedalando na rua.

3. Referindo-se a mais de um substantivo, o particípio concorda no gênero predominante:
Atingidos por mísseis, a corveta e o navio foram a pique.

OUTROS CASOS DE CONCORDÂNCIA

ANEXO, APENSO, INCLUSO, SEPARADO

Como adjetivos, concordam com substantivo em gênero e número:
Vão anexos os pareceres das comissões técnicas.

ATENÇÃO: Em anexo, em separado são locuções adverbiais de modo e devem ficar invariáveis.

LESO

Concorda com o substantivo em gênero e número:
Os crimes de lesa-majestade eram punidos com a morte.

A OLHOS VISTOS

Locução adverbial invariável. Significa visivelmente.
Lúcia emagrecia a olhos vistos.



Como adjetivo, só [=sozinho] concorda em número com o substantivo:
Eles estavam sós, na sala iluminada.

Como advérbio [=somente], fica invariével:
Só eles estavam na sala.

ATENÇÃO!! A sós é locução invariével:
Estávamos a sós.

POSSÍVEL


Como adjetivo, concorda com o substantivo:
Faremos todos os exercícios possíveis.

Formando locuções:

1. Adverbiais (o mais..., o menos..., o pior..., o melhor...possível) são invariáveis:
Os prédios devem ficar o mais afastados possível.

2. Adjetivas (os mais..., os menos..., os piores..., os melhores...possíveis) são variáveis:
As informações obtidas são as melhores possíveis.

ADJETIVOS ADVERBIADOS

Certos adjetivos, como sério, claro, alto, caro, barato, raro, etc., quando usados como advérbios, ficam invariáveis:
A partir de amanhã, a água custará mais caro.

Mas como adjetivo, varia:
A partir de amanhã, a água fica mais cara.

TODO

No sentido de inteiramente, completamente, costuma-se flexionar, embora seja advérbio:
As meninas iam todas de branco.

ALERTA

Como advérbio [=em estado de alerta], fica invariável:
Os soldados ficaram alerta.

Como adjetivo ou substantivo, varia:
Nossos chefes estão alertas. [=vigilantes]
Os bombeiros deram vários alertas [=avisos] à população.

MEIO

Como advérbio [= um pouco], fica invariável:
A porta estava meio aberta.

Como numeral fracionário [=metade], flexiona-se para concordar com o substantivo:
Comi meia maçã.

BASTANTE

Varia quando adjetivo, sinônimo de suficiente:
Não havia provas bastantes para condenar o réu.

Como advérbio, fica invariável:
As cordas eram bastante [=muito] fortes para sustentar o peso.

MENOS

É palavra invariável:
Gaste menos água.

PSEUDO

É invariável:
Elas eram pseudo-feministas.

GRAMA

Unidade de medida de massa, é masculino.
Emagreci quinhentos gramas na semana passada.

MESMO

Como advérbio [= até, realmente], fica invariável:
Mesmo elas desconheciam o programa antivírus.
Saiu neste momento mesmo.

Como pronome demonstrativo [=próprio], concorda com o pronome ou o substantivo a que se refere:
Elas mesmas digitaram todo o texto.

QUITE

É adjetivo e flexiona-se:
Os eleitores quites com o TRE poderão votar.

TAL QUAL

Com verbos de ligação, "tal" concorda com o 1º termo da comparação e "qual", com o segundo:
Os filhos serão tais qual o pai. (...tais qual o pai é)
O filho era tal quais os pais. (...tal quais os pais eram)

Com outros verbos, é conjunção comparativa:
O filho fala tal qual os pais. (...fala como os pais falam)
Os filhos comem tal qual o pai. (...comem como o pai come)

Questões que tratam deste assunto:

Questão 5 da prova do CESPE - BANCO DO AMAZONAS SA (2010)
Questão 7 e 10 da prova do CESGRANRIO - PETROBRAS SUPERIOR (2012)
Questão 11 da prova da FCC - TRT-MG (NÍVEL SUPERIOR 2009)
Questão 15 da prova da FCC - TRT-RS (TEC.JUD.2011)
Questão 4 da prova do CESPE - INMETRO (NÍVEL SUPERIOR 2009)
Questão 9 da prova da FCC - TRT-SE (TEC.2010)
Questão 6, 16, 19, 21 e 27 da prova da FCC - TRT/MG (TÉCNICO/2009)
Questão 06 e 16 da prova da FCC - TRT/CE - (ANALISTA/2009)
Questão 8 da prova da FCC - TRT/MA (TEC.JUD.2009)
Questão 72 da prova da ESAF - ATA-MF/2009
Questão 2 da prova da ESAF - ANA/2009

Você também pode se interessar por pontuação.

domingo, 2 de novembro de 2008

PONTUAÇÃO

Os sinais de pontução servem, na escrita, para imprimir ritmo à comunicação, auxiliar a compreensão da mensagem, retirando as ambiguidades, e enfatizar-lhe alguns pontos. Logo, a pontuação representa, graficamente, recursos complementares da elocução oral, tais como pausas, modulações da voz (entoação) e destaques de elementos do texto.

Eles podem ter a seguinte classificação:

1) MARCADORES DE PAUSA

1.1. VÍRGULA
- Indica uma pausa breve. De um modo geral, podemos afirmar que na ordem direta (sujeito + verbo + complementos) não se usa a vírgula. Utiliza-se ela para:

1.1.1. separar elementos de mesma função sintática:
Ela é alta, bonita, simpática, sincera. (mesma função sintática: predicativo do sujeito)

1.1.2. separar o vocativo:
Carlos, como foi a prova?

1.1.3.
separar apostos e certos predicativos:
Pelé, o rei do futebol, foi o maior artilheiro de todos os tempos.
Lentos e tristes, os retirantes iam passando.

1.1.4. intercalar qualquer termo, normalmente de valor explicativo ou adverbial:
Quero dizer, antes de mais nada, que não aprovo a idéia.

1.1.5. separar certas expressões explicativas ou retificativas, como isto é, a saber, por exemplo, ou melhor, etc:
O amor, isto é, o mais forte e sublime dos sentimentos humanos, tem seu princípio em Deus.

1.1.6. separar orações adjetivas explicativas:
Os jogadores do flamengo, que são pernas-de-pau, não conseguem melhorar o salário. (todos são pernas-de-pau e não conseguem melhorar o salário)

ATENÇÃO!! Se a oração for adjetiva restritiva, não haverá a vírgula:
Os jogadores do flamengo que são pernas-de-pau não conseguem melhorar o salário. (apenas os pernas-de-pau não conseguem melhorar o salário)

1.1.7. separar orações subordinadas adverbiais deslocadas:
Enquanto o marido pescava, rosa ficava pintando a paisagem.

ATENÇÃO!! Se a oração adverbial vier depois da principal, a vírgula será faciltativa:
A vírgula será facultativa se a oração adverbial vier depois da principal.

1.1.8 separar adjuntos adverbiais deslocados:
Com mais de setenta anos, andava a pé.

ATENÇÃO!! O adjunto adverbial, quando breve, PODE dispensar a vírgula:
Dentro do navio homens e mulheres conversavam. (sem pausa, portanto sem vírgula)
Depois do almoço, fomos ao cinema. (com pausa, portanto com vírgula)

1.1.9. Para indicar a elipse de um termo:
Uns diziam que se matou, outros, que fora para o Acre [=outros diziam que fora para o acre]

ATENÇÃO!! Em contrapartida ao emprego da vírgula para indicar omissão, ela também pode ser usada para indicar excesso - caso da repetição de termos [=pleonasmo] que se antecipam na frase, bem como caso de polissíndeto [=repetição da conjunção e]:
O dinheiro, Jaime o trazia escondido nas mangas do paletó.
E ela chorava, e gesticulava, e gritava.

1.1.10. separar o nome do lugar nas datas:
Salvador, 2 de novembro de 2008.

1.1.11. separar orações coordenadas, exceto as aditivas:
Havia muito serviço, entretanto ninguém trabalhava.

1.1.12. separar orações começadas pela conjunção e em dois casos:

a) quando têm sujeito diferente da primeira oração:
Antônio leu o livro, e Paulo escreveu a carta.

ATENÇÃO!! Com o mesmo sujeito, sem vírgula:
Antônio leu o livro e escreveu a carta.

b) quando a conjunção e não tem valor aditivo:
Pintou a casa de branco, e não ficou satisfeito. [e = mas = valor adversativo]

1.1.13. separar conjunções adversativas e conclusivas deslocadas:
Falou pouco; estava, porém, cansado.

NÃO SE EMPREGA A VÍRGULA NOS SEGUINTES CASOS:

a) entre sujeito e o verbo da oração, quando juntos:
Muitos paulistanos deixam o carro na garagem durante a semana.

ATENÇÃO!! Se entre o sujeito e o verbo houver termo deslocado, terá lugar a vírgula:
Muitos paulistanos, durante a semana, deixam o carro na garagem.

b) entre o verbo e seus complementos (objeto direto e indireto):
Os animais protegem seus filhotes.

c) entre o nome e seu complemento ou adjunto:
Tinha medo de tudo.

d) entre o verbo e o predicativo:
Essa menina é bastante levada.

e) entre oração principal e oração subordinada substantiva:
Não me espanta que você seja tão imaturo.

ATENÇÃO!! Se a oração subordinada substantiva figurar antes da principal, a vírgula será obrigatória:
Que você é um hipócrita, todos nós sabemos.

f) entre oração principal e oração subordinada adjetiva restritiva:
Você foi o único amigo que me apoiou naquele dia.

1.2. PONTO-E-VÍRGULA - Empregado para indicar uma pausa maior do que a vírgula. Emprega-se o ponto-e-vírgula nos seguintes casos:

1.2.1. para separar orações coordenadas de certa extensão, principalmente se uma das orações já apresenta vírgula:
Depois Iracema quebrou a flecha homicida; deu a haste ao desconhecido, guardando consigo a ponta farpada.

1.2.2. para separar os itens de uma enumeração:
O candidato precisa fazer três coisas:
I - chegar com antecedência de uma hora;
II - trazer identidade;
III - trazer o material adequado para a prova.

1.2.3. para separar orações coordenadas adversativas ou conclusivas quando se quer alongar a pausa:
Havia muitas pessoas à minha espera; contudo preferi ficar no escritório.

1.2.4. para separar orações coordenadas quando a conjunção esta deslocada:
Estudou a tarde toda; estava, portanto, preparado.

1.2.5. para separar os considerandos e artigos de decretos, sentenças, petições, etc.:
Considerando que ...;

1.3. PONTO FINAL - Sinal que indica a pausa natural no final de uma frase. Emprega-se nos seguintes casos:

1.3.1. para fechar o período:
Mestre Vitorino morava no mar.

1.3.2. nas abreviaturas:
Sr. (senhor), a.C. (antes de Cristo), etc.



2) MARCADORES DE ENTOAÇÃO

2.1. DOIS-PONTOS - Assinalam uma pausa suspensiva da voz, indicando que a frase não está concluída. emprega-se nos seguintes casos:

2.1.1. para indicar uma citação alheia ou própria:
Já dizia Rui Barbosa: "O homem criando, através do trabalho, assemelha-se a Deus".

2.1.2. antes de uma enumeração:
Tudo ameaça as plantações: vento, enchentes, geadas, insetos daninhos, bichos, etc.

2.1.3. para introduzir um aposto ou oração apositiva:
Só queria algo: seu afeto.

2.1.4. para indicar um esclarecimento, um resultado ou resumo do que se disse:
Mas padre Anselmo era assim mesmo: amigo dos pobres

2.2. PONTO DE INTERROGAÇÃO - Coloca-se no final das interrogações diretas:
Por que derramas tanto amor nos olhos?

2.3. PONTO DE EXCLAMAÇÃO - Emprega-se nos seguintes casos:

2.3.1. depois das interjeições, locuções ou frases exclamativas, exprimindo surpresa, entusiasmo, súplica, desejo, espanto, ordem, indignação, etc.:
Ah! mísero demente! o teu tesouro é falso!

2.3.2. para substituir a vírgula depois de um vocativo enfático:
Colombo! fecha a porta dos teus mares!

2.4. RETICÊNCIAS - São usadas para indicar a interrupção da frase, sugerindo:

2.4.1. dúvida, hesitação, surpresa:
Em terra de olho quem tem um cego...Ih! Errei!

2.4.2. a supressão de trechos de um texto. Nesse caso, as reticências ficam entre parênteses ou podem ser usados quatro pontos em vez de três:
"(...) um vício cujas raízes obscuras eu mal ousaria tentar pôr a nu (...)"
"Na primeira semana de agosto,....a frota ancorou em Málaga...."

3) DESTAQUES DE ELEMENTOS DO TEXTO

3.1. PARÊNTESES - Empregam-se nos seguintes casos:

3.1.1. para isolar palavras, locuções ou frases intercaladas no período, com caráter explicativo, as quais são proferidas em tom mais baixo:
"O Cristiansmo (escreveu Chateaubriand) inventou o órgão e fez suspirar o bronze."

3.1.2. Ás vezes substitui a vírgula ou travessão:
Uma vez (contavam) a polícia tinha conseguido deitar a mão nele.

3.2. TRAVESSÃO - É um traço maior que o hífen. Usa-se:

3.2.1. nos diálogos, para indicar mudança de interlocutor ou início da fala de um personagem:
"- Você é daqui mesmo? perguntei.
- Sou, sim senhor, respondeu o garoto."

3.2.2. para separar expressões ou frases intercaladas, substituindo a vírgula ou parênteses:
Um bom ensino básico - diga-se mais uma vez - exige a valorização do professor.

3.2.3. para ligar palavras em cadeia de um itinerário:
A via férrea São Paulo-Sorocaba.

3.3. ASPAS - Usam-se as aspas para:

3.3.1. indicar citação de frase alheia:
Napoleão disse: "Do alto destas pirâmides quarenta séculos vos contemplam".

3.3.2. realçar uma palavra ou expressão dignas de nota ou de sentido irônico:
"Ordem e Progresso" é o nosso lema.

3.3.3. indicar palavras estrangeiras, arcaísmo, neologismos, termos de gírias, erros gramaticais, etc.:
Gosto de visitar os "sites" de educação da "web".

3.4. COLCHETES
3.4.1. Tem a mesma finalidade dos parênteses; todavia seu uso se restringe aos escritos de cunho didático, científico:
"Luzente. [Do lat. lucente.] Adj. 2 g. Que luz ou brilha."

3.4.2. Na transcrição de um texto, indicam inclusão de palavra(s):
"O [peixe] do meio trazia uma concha na boca..."

Questões que tratam deste assunto:

Questão 6 da prova do CESPE - TEC. SUPERIOR DETRAN/ES (2010)
Questão 8 da prova do CESPE - BANCO DO AMAZONAS SA (2010)
Questão 13 da prova do CESPE - BANCO DO AMAZONAS SA (2010)
Questão 14 da prova do CESPE - BANCO DO AMAZONAS SA (2010)
Questão 6 da prova da FCC - TRT-MG (NÍVEL SUPERIOR 2009)
Questão 11 da prova da FCC - TRT-RS (TEC.JUD.2011)
Questão 12 da prova do CESPE - INMETRO (NÍVEL SUPERIOR 2009)
Questão 5 e 15 da prova da FCC - TRT-SE (TEC.2010)
Questão 9 e 13 da prova da CESPE - EMBASA (2009)
Questão 7, 8 e 20 da prova da FCC - TRT/MG (TÉCNICO/2009)
Questão 17 da prova da FCC - TRT/CE - (ANALISTA/2009)
Questão 5 da prova da FCC - TRT/MA (TEC.JUD.2009)
Questão 18 da prova da FCC - TRT/MA (TEC.JUD.2009)
Questão 66 e 71 da prova da ESAF - ATA-MF/2009
Questão 35 da prova da AOCP - DESENBAHIA (2009)
Questão 7 da prova da CONSULTEC - PGE/BA (2008)
Questão 7 da prova do CESPE - IBAMA (SUPERIOR 2009)

Você pode se interessar por figuras de linguagem.