segunda-feira, 14 de novembro de 2011

EMPREGO DO QUE

É importante saber diferenciar as diversas funções da palavra QUE nas orações, principalmente quando é pronome relativo, muito cobrado em concursos. Para ver questões sobre isso, pesquise, por exemplo, sobre pronome relativo em www.portuguesnapratica.blogspot.com.

PRONOME RELATIVO
Quando o QUE pode ser substituído por O QUAL, A QUAL, OS QUAIS, AS QUAIS. Representa uma função sintática qualquer e inicia oração subordinada adjetiva em duas variações: restritiva ou explicativa. (Assunto bastante difundido neste blog).

1) O pássaro que pousou naquele galho está ferido (O que é pronome relativo)

Análise:
O pássaro está ferido = Oração principal
que pousou naquele galho = Oração subordinada adjetiva restritiva, ou seja, não são todos os pássaros. É apenas o que pousou naquele galho.
Função sintática do "que": sujeito. (que = pássaro)
que pousou naquele galho = O pássaro pousou naquele galho

2) A rosa, que é perfumada, enfeita o mundo (O que é pronome relativo)

Análise:
A rosa enfeita o mundo = Oração principal
que é perfumada = Oração subordinada adjetiva explicativa, ou seja, todas as rosas são perfumadas. Está se explicando que as rosas têm um perfume.
Função sintática do "que": sujeito. (que = rosa)
que é perfumada = A rosa é perfumada

PRONOME INTERROGATIVO
Usado numa frase interrogativa direta ou indireta. Tem função sintática.

Que desejas aqui? (que = objeto direto)

PRONOME INDEFINIDO
Em frases exclamativas, sempre unido a um substantivo. É pronome adjetivo, funcionando sempre como adjunto adnominal.

Que nota baixa!

ADVÉRBIO DE INTENSIDADE
Em frases exclamativas, quando modifica um adjetivo. Equivale a QUÃO. Sintaticamente, funciona como adjunto adverbial de intensidade.

Que bela estava a noite!

CONJUNÇÃO SUBORDINATIVA CONSECUTIVA
Quando incia oração subordinada adverbial consecutiva. Pesquise sobre esta oração aqui neste blog. Pesquise também questões sobre o assunto em www.portuguesnapratica.blogspot.com.

Minha mão tremia tanto que mal podia escrever. (A consequência de estar com a mão tremendo é não poder escrever)

CONJUNÇÃO SUBORDINATIVA INTEGRANTE
Quando inicia oração subordinada substantiva. Pesquise sobre esta oração neste blog e descubra o macete para detectar este tipo de oração. Veja também questões sobre o assunto em www.portuguesnapratica.blogspot.com.

Pedi-lhe que me desculpasse. (que me desculpasse = oração subordinada substantiva)

CONJUNÇÃO SUBORDINATIVA CAUSAL
Quando incia oração subordinada adverbial causal. Pesquise sobre esta oração neste blog e sobre questões em www.portuguesnapratica.blogspot.com.

Não vou à praia que o tempo está feio. (A causa de não ir à praia é o tempo feio)

CONJUNÇÃO SUBORDINATIVA COMPARATIVA
Quando incia oração subordinada adverbial comparativa. Pesquise sobre este tipo de oração neste blog e sobre suas questões em www.portuguesnapratica.blogspot.com.

Os pedestres se cruzavam pela rua que nem formigas apressadas. (comparação dos pedestres com as formigas)

CONJUNÇÃO SUBORDINATIVA CONCESSIVA (Concessiva do verbo conceder)
Quando introduz uma oração subordinada adverbial concessiva. Equivale a EMBORA. Pesquise mais sobre assunto neste blog e no de questões: www.portuguesnapratica.blogspot.com.

Dez minutos que fossem, para mim, seria muito tempo. (na ordem direta: seria muito tempo embora fossem dez minutos)

CONJUNÇÃO SUBORDINATIVA FINAL
Quando inicia uma oração subordinada adverbial final. Equivale a PARA QUE. Pesquise mais sobre assunto neste blog e no de questões: www.portuguesnapratica.blogspot.com.

Fiz-lhe sinal que se calasse. (....para que se calasse)

CONJUNÇÃO COORDENATIVA EXPLICATIVA
Quando inicia uma oração coordenada sindética explicativa. Pesquise sobre classificação das orações neste blog e veja a diferença entre oração subordinada adverbial causal e oração coordenada sindética explicativa.

Não solte balões, que podem causar incêndios.

CONJUNÇÃO COORDENATIVA ADVERSATIVA
Quando inicia oração coordenada sindética adversativa (pouco usual). Equivale a MAS.

Diga isso a ele, que não a mim. (..., mas não a mim)

INTERJEIÇÃO
Com ponto de exclamação e acento circunflexo.

Quê! Você não viu aquilo?!

PREPOSIÇÃO ACIDENTAL
Quando equivale a outra preposição, geralmente DE.

Tenho que sair agora.

PARTÍCULA EXPLETIVA OU DE REALCE
Quando pode ser retirado da frase sem alterar-lhe o sentido ou a análise.

Há dois dias que não saio.
Nós é que não iremos. (pertence a uma locução expletiva)

SUBSTANTIVO
Quando vem determinado por um termo qualquer. Deve ser acentuado e tem função sintática.

Ela tem um quê especial.

6 comentários:

Reinaldo disse...

Olá Sr. Moisés.
Me responda se essa frase está certa.
No consulado, foi o próprio dirigente QUE visou meu passaporte.
Ouso do QUE está correto?
Não seria QUEM visou meu passaporte?
Essa questão é de um concurso da Vunesp e eu errei.

Moisés disse...

Olá Reinaldo,
Podem ser as duas opções, mas atenção: no caso do QUE, o verbo visar concorda com o antecedente do pronome relativo, ou seja, o dirigente visou... e no caso do pronome QUEM o verbo pode concordar com o antecedente ou com o pronome QUEM. Como QUEM é 3a pessoa do singular e dirigente também, então seria "...o dirigente quem visou" sempre. Agora veja este exemplo para que você entenda melhor:

Fui eu que paguei. (o verbo concorda com o antecedente do pronome)

Fui eu quem paguei. (o verbo concorda com o antecedente do pronome)

Fui eu quem pagou. (o verbo concorda com o pronome)

São as 3 construções permitidas. No caso do quem, a construção vai depender da ênfase que se quer dar.
Abraços e continue estudando por aqui e mandando suas dúvidas que, dentro do possível, responderei.

Edição Entretantos disse...

Olá Sr. Moisés.
Gostaria de saber porque na oração "Preciso que venhas ver-me", aconteceu uma ênclise?
Qual é a regra?

Moisés disse...

Veja COLOCAÇÃO PRONOMINAL NAS LOCUÇÕES VERBAIS neste blog: http://portuguesnaveia.blogspot.com.br/2008/07/colocao-pronominal.html

Anônimo disse...

Oi,Gosto muito desse site,o tenho salvo no "meu favorito" Facilita muito na hora de entender os assuntos,parabéns, você poderia escrever um livro.

Moisés disse...

Obrigado pelo seu interesse neste blog. Elogios como o seu fazem com que eu continue com o objetivo de ajudar as pessoas a passar num concurso público como eu passei. Nunca desista!